Big Data: O que é, estratégias e o que fazer com banco de dados.

Conheça as 5 empresas que têm sucesso usando QR Code
7 de junho de 2019
O que é Customer Experience e por que investir para gerar mais clientes?
24 de julho de 2019

Big Data: O que é, estratégias e o que fazer com banco de dados. 

Toda empresa gosta de se manter atualizada e à frente ou equiparada aos seus concorrentes. Ninguém deseja estagnar e por mais que seja inevitável errar uma vez ou outra, existem muitas formas de olhar para o futuro de maneira otimista. Um dos pilares para o sucesso é conhecer seu cliente; seu perfil, seus gostos, preferências e tantos outros dados. 

 

Atualmente conhecer o seu consumidor é definitivamente a melhor forma de se obter sucesso em seu negócio. Devido ao grande avanço da tecnologia, vivemos em um cenário cada vez mais dinâmico, onde ter acesso a informação de forma rápida e precisa se torna cada dia mais importante. É aí que o conceito de BIG DATA entra! 

 

Big Data é a possibilidade de reunir informações e mantê-las organizadas como um arquivo. Parece até algo comum ou óbvio de se fazer enquanto empresa, não é mesmo? Mas talvez, você ainda não montou um banco de dados para a sua! Esse banco de dados exige uma análise e atualização constantes visto que os clientes vem e vão ou então mudam suas necessidades e, assim, suas estratégias como empresa tem que mudar nas mesmas proporções. 

 

Aprofundando um pouco mais em Big Data, o analista Doug Laney deu destaque ao termo no ano 2000. Ele dividiu a ideia em três pilares e os chamou de 3 V´S: Volume, variedade e velocidade e, mais tarde, então Big Data se tornou um compilado de cinco V´s, pois foram adicionados “veracidade” e “valor”. 

 

Volume: O primeiro V se refere exatamente a essa avalanche de dados gerados e processados pelos algoritmos a todo minuto, e que a cada ano com o avanço da tecnologia vem crescendo mais e mais, de forma rápida e significativa.

Variedade: É a forma com que os dados são produzidos, seja em forma de texto, vídeos, áudios, fotos e afins. Quanto mais dados eu tenho, maior é a complexidade exigida para se trabalhar essas informações e maior é também, a possibilidade de se obter informações relevantes para as empresas.

Velocidade: A rapidez e eficiência com que um dado é produzido e processado pelo algoritmo é de grande importância para fornecer vantagem competitiva para as empresas, vantagens essas, que antes eram muito difíceis de conseguir. Tornando possível identificar padrões de maneira quase imediata e com isso agir de forma a melhorar seus processos internos e externos.

 

 

Veracidade: Esse pilar está diretamente relacionado fato dos dados processados serem ou não verdadeiros, o que é de estrema importância para obter resultados positivos para o seu negócio.

Valor: A principal função do Big Data é agregar valor para a sua empresa e para isso é preciso que, a informação gerada e processada a todo o momento pelo algoritmo seja útil para o seu negócio. Tornando esse um dos principais pontos em relação a esse recurso. Se a informação acrescentar alguma vantagem para a sua empresa, então ela tem valor!

 

 

Uma empresa ou uma gerência obtêm dados que vêm de diversas fontes e canais diferentes e, portanto, existem assim dados totalmente distintos. Há dados produzidos através de imagens, áudios, artes, vídeos e outros. Esses dados são divididos em grupos, analisados e relacionados por meio de algoritmos como, os presentes em: Google ADS, Facebook ADS etc. Por isso, é de extrema importância que você saiba diferenciá-los e dividí-los em categorias. 

 

Primeiramente, os dados podem ser estruturados ou não. Os chamados “estruturados” possuem uma estrutura pré-determinada e por isso, conseguem ser analisados apenas pelo algoritmo sem necessidade de interferência humana. São exemplos: localização, vendas, contatos, perfil de clientes, entre outros. Já os dados não estruturados são mais complexos pois não possuem uma estruturação e precisam de análise humana. Informações obtidas através de Facebook, Instagram, YouTube, Twitter, portais de noticias e afins, são exemplos destes. Essas mídias costumam trabalhar com diversas formas de informações desde imagens até vídeos e áudios, por isso a complexidade em analisar esses dados é tão grande, pois cada um pode ter um significado diferente.

 

 

O segundo passo para a divisão e organização desses dados é entender as categorias em que estão inseridos. Os tipos mais comuns são: Social data, Enterprise data e Personal data. Esses, respectivamente representam dados coletados nas redes sociais, dados gerados em empresas diversas a todo momento e aqueles dados mais recentes que são coletados através de dispositivos que se conectam a internet. 

 

 

 

 

Mas então, por que minha empresa precisa de Big Data? Se eu não usar Big Data eu vou ficar realmente para trás? O que fazer com dados?

A resposta para isso está no impacto que ter um sistema de Big Data pode trazer á venda de seu serviço ou produto e até ao seu cotidiano e metas da empresa! 

 

 

Ter dados é ter conhecimento, evidências, direções. Por isso, consequentemente um bom banco de dados vai te ajudar a tomar decisões corretas e ainda sustentar suas ideias com fatos. Além disso, é possível acompanhar as estratégias de sua empresa, fazendo métricas e atualizando seu sistema, observando as vantagens e o que não está dando certo também. 

 

Algo deu errado? O banco de dados também é muito eficiente para isso, você pode detectar problemas e encontrar a melhor forma de solucioná-los. Portanto, não precisam existir mais “achismos” e suposições sobre acertos e erros.  

 

Entre todas as outras vantagens e importâncias do Big Data, uma das mais relevantes tem a ver com a ampliação de influência de sua empresa e a aquisição de novos clientes. Bons dados te informam qual a melhor estratégia para suas abordagens, vendas e propagandas da empresa, eles dão direção sobre a necessidade do cliente em questão e como sua empresa pode atendê-las. 

 

Estratégias de Marketing por exemplo podem mudar muito quando se percebe a necessidade de Big Data, ou seja, tudo que é investido nesse setor tem maior possibilidade de se converter em leads para sua empresa. 

Como captar leads? Clique aqui. 

 

 

Muitos empreendedores possuem essa dúvida, se o mercado em que eles atuam tem espaço para o Big Data.  A verdade é que os dados estão presentes em todas as áreas e sim, eles podem ser usados por todos.

Esses são alguns seguimentos que tem investido com mais frequência em dados e estão tendo resultados significativos:

  • Varejo;
  • Governo;
  • Educação;
  • Saúde;
  • Bancos.

Como vocês podem vê são mercados totalmente distintos, mas que aproveitam esses dados para gerar resultados significativos e assertivos para a sua empresa.

 

 

Big Data no varejo

Embora diversos mercados aproveitem o uso dos dados, o mercado varejista é um dos que mais investem nesse recurso. Com o passar do tempo houve algumas mudanças no mercado varejista, porem, com o surgimento do Big Data a experiência do cliente teve uma grande melhora, pois os varejistas passaram a perceber o que o seu publico alvo queriam e precisavam antes mesmo dos próprios consumidores.

Além disso, possibilitaram também na criação de diversos “programas” de fidelidade do cliente com base nos dados sobre hábitos de compras, produtos mais consumidos etc… E também facilitou a compreensão aprofundada sobre seu publico alvo, podendo assim, prever tendências, recomendar novos produtos.

 

 

Possibilidades de mudanças:

Por meio do Big Data você deslumbra diversas possibilidades de mudanças na forma como o seu negócio funciona, agora é o momento de entender algumas das mudanças mais comuns feitas por meio dos dados, lembrando que as possibilidades são muitas, basta usar a imaginação.

1 – Marketing Direcionado: Quando conhecemos o comportamento do nosso cliente e quais são os seus hábitos de consumo, podemos criar planos e estratégias de Marketing que são direcionadas diretamente para esse consumidor ideal. Gerando um resultado mais efetivo na conversão de leads.

2 – Novos produtos: Analisando o perfil do seu consumidor, comportamento, estilo de vida, preferencias, é muito mais fácil criamos novos produtos que atendam a sua necessidade tendo mais chances de sucesso.

3 – Tempo e dinheiro: Tendo um produto que atenda as necessidades do seu consumidor, um marketing bem direcionado você vai economizar tempo e recursos que muitas vezes são perdidos por não gerar resultados.

4 – Relacionamento e vendas: Quando se conhece bem o seu consumidor é possível oferecer produtos mais relevantes, gerando maior fidelização do cliente, menos reclamações, indicações para amigos entre outras coisas.

5 – Corporativo: Quando se combina Big Data com inteligência analítica de alta performance, você pode realizar também mudanças corporativas como:

  • Determinar a causa de falhas, problemas e defeitos quase que em tempo real;
  • Gerar cupons no ponto de venda com base nos hábitos de compra do cliente;
  • Recalcular carteiras de riscos completas em minutos;
  • Detectar comportamentos fraudulentos antes que eles afetem sua organização.

 

Para tornar as estratégias mais direcionadas e eficientes, usar Big Data rompe com a ideia da intuição e leva os profissionais á uma maneira de análise certeira e, assim, á vendas mais certeiras também. 

Para isso, se atente aos passos:

  1. Identifique seu problema para consertá-lo ou então seu principal objetivo como empresa:

Suponha que você é uma loja de roupas femininas que só vende online, através do Instagram. Os negócios andam em queda e você determina que para resolver isso, você precisa que mais pessoas visualizem sua página e consequentemente suas postagens. 

  1. Aproveite os recursos disponíveis:

Há na própria rede social em questão, a possibilidade de visualizar as métricas de alcance e impressão de sua página e assim, pensar em qual estratégia será a melhor de acordo com idade, gênero e outras informações de seus principais clientes.

 

KPIs

Para chegar a decisões certeiras, anteriormente você precisa se atentar aos KPIs da sua empresa. As Key Perfomance, traduzido do inglês como “Indicador chave de Desempenho” são métricas utilizadas para medir o funcionamento dos processos de uma empresa que, quando analisadas de forma certa, colabora para que se alcance os objetivos.

As soluções e decisões podem envolver estratégias como o Growth Hacking, que é composto por estratégias criativas e inovadoras, na maioria das vezes de baixo custo e com objetivo de alcançar novos usuários. É o famoso “pensar fora da caixinha”, que vai te diferenciar como empresa. 

 

Ficou ainda mais interessado no assunto? Preparamos um conteúdo em vídeo para você entender como aumentar seu conhecimento e vendas com o Big Data. 

 

A exploração dos dados captados, se bem processada e analisada, pode ajudar a sua empresa a melhorar o seu desempenho e a sua relação com o consumidor de forma significativa.

Para ter um resultado positivo, não basta apenas ter os dados, é necessário compreender todo o processo de gestão e análise dos mesmos: coleta, armazenamento, organização e análise. 

 

COMO COLETAR DADOS
O primeiro passo para se ter sucesso com o Big Data é a coleta de dados, como e onde você irá captá-los. Hoje com o advento da tecnologia as possibilidades e meios para se captar e analisar dados são incontáveis, facilitando de forma significativa todo o processo.

 

  • CADASTROS

 

Esse é um dos meios mais comuns de se conseguir dados, muitas marcas e lojas aproveitam o momento da finalização de uma compra para fazer um cadastro do cliente, tanto no meio físico quanto no online.

 

  • DESCONTOS E SORTEIOS

 

No meio empreendedor uma das táticas mais utilizadas é a de “dar e receber”, ou seja, as marcas oferecem benefícios em troca das informações do consumidor.  Uma boa forma de fazer isso é oferecendo descontos para o cliente na hora da comprar, em troca do seu CPF, telefone e a fins. Essa é uma tática muito utilizada em supermercados por exemplo.

 

  • CLUBE DE VANTAGENS

 

Um exemplo bem comum é oferecer vantagens para o público, algumas marcas optam, por exemplo, em investir nos clubes de vantagens, onde seus clientes se cadastram e ganham descontos, brindes, dentre outros benefícios, essa é uma excelente técnica para captar dados e ainda garantir a fidelização do seu consumidor, que ficará feliz em fazer “parte da empresa”.

 

 

  • REDES SOCIAIS

 

O meio virtual é hoje um dos melhores lugares pra se adquirir dados, o próprio cadastro nas redes é uma forma de se ter informações dos consumidores, além dos conteúdos postados, acesso em jogos, pop-up, login através do facebook ou google, pesquisas veiculadas nas redes, essa são algumas das muitas opções disponíveis para a obtenção de informações.

 

  • CONTEÚDO

 

Essa é uma das práticas mais comuns no meio virtual, e se dá quando você oferece para o seu consumidor um conteúdo de qualidade e interessante para que ele possa estudar e aperfeiçoar a sua técnica em troca do cadastro através do e-mail ou outra rede. Uma boa forma de se conseguir isso é por meio de E-books, conteúdos adicionais ao seu site, Podcast, vídeos e afins, lembrando sempre de oferecer benéficos reais e de qualidade.

 

 

  • WIFI

 

Alguns shoppings e lojas, por exemplo, adotam a tática de oferecer WIFI gratuito em troca de um pequeno cadastro, com nome, e-mail etc…

 

  • APP

 

Os aplicativos são um meio bem simples também de se obter dados, mediante ao cadastro pelas redes sociais, como facebook ou e-mail, a compra de conteúdos personalizados dentro do app, pop-up de aceitação com termos de acesso as suas fotos, músicas, áudios e até mesmo da sua localização.
  • LANDING PAGES 

As landing pages, traduzindo para o português como as “páginas de aterrizagem”, são uma maneira do cliente se cadastrar e enviar informações para o seu banco de dados! Elas são a primeira coisa que uma pessoa vai ver quando abrir seu blog ou e-commerce por exemplo. Normalmente, as landing pages são mais específicas e objetivas, falando sobre um certo tema ou produto, diferentemente de uma página inicial de um site. O objetivo dessa estratégia de captação é a conversão de uma pessoa em cliente. 

 

 Essas são algumas das muitas formas de se captar dados do seu público, além de serem as mais utilizadas atualmente. Lembrando que é sempre bom motivar o seu cliente para que ele disponibilize mais dados.

 

COMO ARMAZENAR DADOS 

 

O armazenamento equivale na distribuição dos dados em sistemas e servidores diferentes, o que garante que para cada informação armazenada exista um backup disponível, que irá variar conforme o formato desses dados, sendo necessário um espaço físico ou uma nuvem.

 

 – Nuvens: Uma boa opção para o armazenamento dos dados são as nuvens, pois é um método que permite que diversos servidores e aplicativos acessem os dados guardados ali por meio de sistemas de arquivos compartilhados.

   Hoje existem diversas plataformas que fornecem esse tipo de funcionalidade, como o Google Drive, um serviço disponibilizado pelo Google, One Drive disponibilizado pela Microsoft, a AWS da Amazon, esse são alguns exemplos de qualidade e fácil acesso.

COMO ORGANIZAR DADOS

 

Essa parte é muito importante para se obter uma análise de qualidade. Sendo necessário escolher como você irá segmentar os seus dados, para isso é importante saber quais são os formatos de dados adquiridos pela sua empresa.
  Você pode optar por separá-los em categorias, como: estruturados e não estruturados, por e-mail, idade, localização, gosto musicais e afins, alinhando as suas informações com o seu objetivo.

 

COMO ANALISAR DADOS

 

Agora, pra finalizar todo esse processo é necessário extrair e interpretar cada um dos dados captados e organizados. Sua análise será feita com base em conceitos de negócios e estratégias de forma a auxiliar na tomada de decisões.
– Estatística Básica: Para começar a analisar seus dados é necessário ter um conhecimento prévio sobre estatística e parâmetros, eles vão te ajudar a compreender e interpretar melhor o que foi colhido. Esse é o “pontapé” inicial para se ter uma análise de qualidade e de fácil entendimento, que irá auxiliar na hora de tomar uma decisão. 

Você pode recorrer a gráficos, tabelas e outros recursos visuais que permitam uma visualização mais clara dos dados coletados.

 

– Capacite sua equipe: Para se ter uma análise e gestão eficiente dos dados é necessário que além dos software, a sua empresa possua também profissionais qualificados, sendo necessário a contratação de especialistas, ou a capacitação dos funcionários já atuantes na sua companhia.

 “Tanto Avinash quanto Simo Ahava, dois grandes nomes no mercado de Digital Analytics, consideram que investir em bons profissionais, com perfil focado em análise, é mais importante do que investir em ferramentas, pois de nada adianta ter tecnologias de ponta se não possuirmos profissionais qualificados para tornar os dados relevantes e acionáveis.”

 

Fica claro, portanto, investir no profissional de Data Science, ou Cientista de Dados, o qual  seu papel é buscar por métricas e modelos estatísticos com o objetivo de criar insights e apresentar os resultados de maneira simples, prática e de fácil entendimento. 

 

 Os dados analisados por esses profissionais podem se apresentar de maneira

estruturada (banco de dados, CRM) ou não estruturada (vídeos, imagens, e-mails) e, por isso, precisam ser organizados e tabulados.

 

– Conclusão: Após criar e montar todas as planilhas e estatísticas é muito importante a elaboração de um relatório com o resumo de tudo que foi possível determinar através dos dados. Quais foram as conclusões retiradas o processo, para que assim você possa tomar as melhores decisões possíveis para o seu negócio.

 

FERRAMENTAS QUE AJUDAM A ANALISAR

 

Big Data Analytics

Você já entendeu como o Big Data funciona, mas como mencionado anteriormente, isso tudo só e possível por meio da análise dos dados fornecidos, para que o cruzamento desses dados aconteça é necessário um software que leia e tudo isso.

O Big Data Analytics faz exatamente esse trabalho, ele lê os dados e passa as informações de forma organizada, para que assim você consiga compreendê-los e transforma-los em algo útil para você e sua empresa.

Excel

O Excel é uma ferramenta que muito ajuda na hora de organizar e integrar os dados. Ele permite anotações, comparações e cálculos em diversos tipos de planilhas e tabelas que você pode montar para a sua empresa. Além disso, é super recomendado para criar gráficos, fazer orçamentos e planejamentos. 

A tabela dinâmica é uma ótima opção para banco de dados que estão ficando um pouco maior. Por exemplo:

 Se a sua amostra de respondentes for composta por 700 pessoas e o questionário tiver 8 perguntas, o total de respostas será 5600. Como o número de respostas para analisar, um relatório de tabela dinâmica pode resumir e cruzar um grande volume de dados.

Dessa forma, esse acaba sendo um ótimo recurso para análise de dados e para tomadas de decisão mais embasadas. Na própria tabela dinâmica da para fixar variáveis ver variações entre elas, de forma fácil e rápido, basta separar as variáveis entre:

– Filtro (Variáveis de segregação)

– Colunas (Variável numérica, normalmente respeita a fórmula embutida nos valores)

– Linhas (Variável fixa) 

– Valores (pode usar para fazer contas e imputar formulas)

Para criar um banco de dados eficiente, essa ferramenta pode ser perfeitamente usada em áreas da sua empresa como Marketing, Recursos Humanos, Financeiro e muito mais.

 

Google Data Studio

Essa ferramenta disponibilizada pelo Google é uma tecnologia de análise de dados, como o próprio nome já diz. Com ele, você pode visualizar seus dados de maneira organizada e ainda se integrar ás outras ferramentas Google como Google Sheets e Google Analytics. Como no Excel, essa ferramenta também permite a criação de gráficos diversos. 

O Google Data Studio tem como diferencial incluir links e imagens que te ajudam a criar conteúdos importantes como bibliotecas de vídeo, catálogo de produtos e outros.

 

#DICA: O uso de dashboards é uma maneira interessante de dispor as informações de modo a contribuir para que todos possam visualizar os resultados da pesquisa com mais clareza.

Com isso, as discussões sobre planejamento de estratégias e direcionamento do negócio, além de outros assuntos sensíveis à gestão, ganham mais consistência.

 

 

É bem comum acontecer uma pequena confusão quando se trata desses termos, muitas pessoas acham que Big Data e Business Intelligence são a mesma coisa, mas na realidade eles se complementam.

 

Como vimos, Big Data é a enorme quantidade de dados que a sua empresa capta no decorrer do tempo, mas nada adianta os dados se eles não forem usados de forma inteligente e eficiente, é ai, que entra o Business Intelligence, para auxiliar na tomada de decisão da sua empresa.

 

O termo Business Intelligence tem sido muito utilizado atualmente, conhecido também como Inteligência de Negócios, ele se refere a um processo tecnológico de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações com auxílio da tecnologia, ou seja, é o processo de transformação dos dados em informações, informações essas que darão suporte na tomada de decisões estratégicas em todas as áreas da empresa, desde o marketing, comercial até a criação de novos produtos e serviços.

 

 

Para deixar o resultado mais palpável, separamos alguns exemplos de empresas que ao usarem Big Data como recurso, obtiveram resultados reais e comprovados. Hoje, são gigantes devido ao conhecimento do perfil de seus clientes e de suas necessidades:

 

Amazon: A Amazon é um e-commerce que começou vendendo livros online, e desde o início de sua trajetória investe em tecnologia de ponta e em formas de compreender melhor o seu público.

 

Para isso, utiliza de algoritmos avançados que reúnem e cruzam diversos dados sobre seus consumidores de acordo com o que eles buscam na internet.

 

Através dessa análise de dados, a Amazon passou a sugerir para seus clientes produtos antes mesmo de serem solicitados por eles. Os planos da rede para o futuro são ainda mais ousados, a empresa pretende passar a entregar os produtos aos seus consumidores sem que eles sequer precisem pedir pelas mercadorias.  Isso só será possível graças ao Big Data Analytcs, que permite identificar com precisão o padrão de consumo do seu publico.

 

Nike: A Nike é uma das maiores fabricantes de materiais esportivos do mundo e uma das pioneiras em análise de dados. Ela fechou uma parceria com uma empresa de tecnologia, para desenvolverem um software que informasse a frequência dos batimentos cardíacos, velocidade, quantidade de passos dados e distancia percorrida por atletas ou pessoas que praticassem corridas no seu dia-a-dia, e tudo isso ligado a suas redes sociais, que através de um aplicativo compartilhava informações com outras pessoas que também gostam de esporte.

 

Aumentando assim, de forma significativa a sua base de dados sobre seu público-alvo além de alcançar também um número maior de pessoas, que podem se tornar novos clientes. Esses dados são utilizados pela Nike, de forma inteligente para compreender melhor o seu público, possibilitando o desenvolvimento de novos produtos, campanhas mais direcionadas e com maior probabilidade de sucesso.

 

Macy’s: A Macy’s é uma das maiores lojas de departamento do mundo, que vende diversos produtos como,  roupas, maquiagens e até alimentos. Ela aproveitou as informações obtidas sobre seus clientes, por meio da análise dos dados fornecidos pelo Big Data, de forma inteligente, para melhorar o marketing e se aproximar mais do seu consumidor, fazendo com que ele se sinta parte importante da marca.

 

A maneira que eles encontraram para que isso aconteça foi por meio de mensagens, que eram enviadas para o consumidor oferecendo descontos especiais, em itens que eles já haviam comprado antes, ou de algo que pudesse ser relacionado com os mesmo produtos.

 

Juarez Leão, que tem mais de 20 anos de experiência em varejo e franquias conta que certa vez comprou um vinho na Macy’s e liberou seu cadastro para a loja, quando voltou um tempo depois, foi recebido com uma mensagem de boas vindas, dizendo que se lembravam dele e da sua compra, convidando-o a fazer uma degustação de vinhos com um sommelier dentro da loja e que ganharia 30% de desconto na compra de uma nova bebida!

 

Under Armour: A Under Armour é uma das grandes concorrentes da Nike, pra conseguir competir com a marca e alcançar o mesmo patamar da empresa concorrente, eles investira cerca de 710 milhões de dólares na compra de 3 (três) criadoras de aplicativos sobre ginastica para ter acesso a mais informações sobre seus consumidores.

Com essas informações em mãos a empresa pretende em parceria com a Wearables (empresa de tecnologia vestíveis) fornecer a atletas e praticantes regulares de esportes que desejam melhorar seu desempenho algumas expertises, atividades e rastreamento nutricionais. Para que assim essas pessoas se sintam mais motivadas, felizes e consequentemente mais inclinadas a comprarem novos produtos da marca.

 

Pinterest: O Pinterest é uma rede social de compartilhamento de imagens, que se tornou muito popular nos últimos tempos chegando hoje a mais de 150 milhões de usuários.

Um dos grandes motivos para seu sucesso é o Big Data, que é principalmente utilizado para personalizar a experiência do consumidor. Uma de suas maneiras de aproveitar os dados e agradar ainda mais o seu cliente é através do direcionamento das imagens de interesses para os seus usuários.

 

Agora que você já entendeu como sua empresa pode crescer exponencialmente com o Big Data, nós da Look Br te convidamos a colocar tudo em prática seguindo os conselhos! Para carregar esse conteúdo com você sempre, baixe-o como PDF

 

 

 

Ajuda? Chat via WhatsApp